Araxá terá a volta do toque de recolher a partir desta segunda-feira (31/5)

Diante do aumento de novos casos diários da COVID-19, taxa de ocupação de leitos de UTI/COVID em 100% e, até mesmo, a preocupação com uma 3ª onda da doença com novas variantes, a Prefeitura Municipal de Araxá publicou na manhã deste sábado (29/5) um novo decreto de enfrentamento que entrará em vigor na próxima segunda-feira (31/5) e valerá por 10 dias (até 9 de junho), com possibilidade de prorrogação por igual período.
Segundo as novas medidas, que foram definidas pelo Comitê de Enfrentamento à COVID-19 em Araxá, a cidade ficará sob toque de recolher a partir das 21h até às 5h, sendo que os estabelecimentos comerciais podem ficar abertos até às 20h.
Além disso, o novo decreto suspendeu a volta às aulas presenciais (previstas para rede privada na próxima terça-feira, 1º/6, e rede pública em 1° de julho), proibiu reuniões com mais de 9 pessoas e o consumo de bebidas alcoólicas em qualquer estabelecimento, sob pena de multa.

A fiscalização do toque de recolher será feita através de parcerias das polícias Militar e Civil.

Durante coletiva à imprensa nessa sexta-feira (28/5), o prefeito Robson Magela, ao lado do vice-prefeito Mauro Chaves, da secretária de Saúde Lorena de Pinho, entre outras autoridades locais, adiantou sobre as novas medidas.

Duas delas começaram a valer a partir deste sábado (29/5): o fechamento do Parque do Cristo e a instalação de uma barreira sanitária em estrada que dá acesso ao Barreiro, que conta com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

“Essa será a nossa última tentativa de conscientizar as pessoas. Sou contra o fechamento do comércio, mas se o número de casos não reduzir teremos lockdown total em Araxá”, destacou o prefeito Robson Magela.
O funcionamento do comércio não essencial de Araxá segue normalmente, assim como cultos religiosos com até no máximo 30 pessoas.

Números preocupantes

Segundo informações da Secretaria de Saúde de Araxá, a cidade registrou nessa semana uma média de 100% de ocupação de leitos de UTI/COVID.
“Foram 14 óbitos registrados nos últimos sete dias e 761 casos confirmados. Cerca de 1,2 mil pessoas positivas para o vírus são monitoradas neste momento pela Secretaria de Saúde. Ao todo, a cidade já registrou 169 mortes ocasionadas pelo novo coronavírus e 10.959 foram infectadas desde o início da pandemia”, diz nota da pasta.
Segundo o prefeito de Araxá, atualmente a cidade se encontra em um momento pior do que o da onda roxa; “Isso, por irresponsabilidade, falta de empatia e amor ao próximo de algumas pessoas. E por mais eficaz que seja a fiscalização é impossível controlar a consciência das pessoas”, desabafou Magela.
Para o vice-prefeito, Mauro Chaves, é preciso buscar uma solução que não prejudique a cidade. “Tentamos o diálogo, porém, dessa vez, teremos que ser mais incisivos e se for preciso iremos multar, interditar e fechar. Infelizmente, percebemos que o resultado só vem quando pesa no bolso”, disse.
De acordo com a secretária de Saúde, Lorena de Pinho Magalhães, o município está trabalhando para manter o equilíbrio epidemiológico e econômico, mas os impactos produzidos pelo vírus só serão reduzidos com a cooperação mútua da população.

“O poder público e os profissionais de saúde sozinhos não conseguirão vencer essa crise. Todos estão esgotados e implorando pela consciência das pessoas”, destaca.

Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca
Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
  • CoronaVac/Butantan
Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.
  • Janssen
A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.
  • Pfizer
A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Como funciona o ‘passaporte de vacinação’?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *