Associação de Capitólio lamenta nível da represa de Furnas e efeito para turismo

A estratégia do governo de baixar o nível do reservatório da hidrelétrica de Furnas, em Minas Gerais, para priorizar a geração de energia na crise hídrica decepcionou os negócios turísticos de Capitólio, cidade vizinha conhecida como Mar de Minas, que se prepara para a retomada com o avanço da vacina. Empresários locais dizem que convivem com o nível reduzido da represa há quase uma década, mas agora pode ficar abaixo do esperado na época mais seca do ano, que começa no inverno.

Elizângela Alves, presidente da Ascatur (Associação dos Empresários de Turismo de Capitólio), diz que não há risco de seca no trecho do lago de Furnas que banha a cidade. Ele deve seguir navegável, mas a redução preocupa o setor já fragilizado pela pandemia.

Alves afirma que os riscos de navegação aumentam nos passeios de lancha, um das principais atrativos de Capitólio. Alguns pontos de parada ficam comprometidos quando o nível da água é reduzido, segundo Paulo Henrique Leite, dono da Pousada do Rio Turvo. “Temos outras atrações, mas, se o lago estiver em cota máxima, é o sonho para a região”, diz ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *