Com ex-jogadores no radar, Lula promete Franca mais competitivo para nova temporada: “questão lógica”

Com uma situação financeira mais confortável em relação a 2020, o Franca Basquete deve chegar à temporada 2021/2022, a partir do próximo semestre, com um time mais competitivo, sem descartar a busca por ex-jogadores, afirma o supervisor técnico Lula Ferreira.

Segundo ele, depois de uma temporada com restrições na folha de pagamento e perdas de atletas importantes como Rafael Hettsheimeir (Flamengo), David Jackson (Minas) e Luciano Parodi (Minas), a diretoria está disposta a fazer melhores ofertas no mercado.

– Não é questão de sondar, mas é uma questão lógica. São jogadores de ponta, são jogadores que estão nos melhores times e na melhor performance, e estamos mirando jogadores desse nível. E também nenhum [atleta] saiu brigado. A gente entende isso, estamos em um mercado profissional – diz.

Ainda em fase de avaliações, o Franca confirmou até agora somente a permanência do ala-pivô Lucas Dias entre os oito atletas que devem assinar contrato com a equipe do interior de São Paulo, além de jogadores selecionados das categorias de base.

– Estamos em um momento de análise e de movimentação de mercado. É óbvio que o time seguramente vai restabelecer uma competividade maior nessa temporada, isso é seguro. Vamos ter um time mais competitivo do que no ano passado. E obviamente isso vai implicar em algumas contratações que terão que ser feitas, mas não temos ainda nenhum movimento concreto – afirma.

Lucas Dias foi o primeiro confirmado no novo elenco do Franca para a temporada 2021/2022 — Foto: Orlando Bento/LNB

Foco no NBB

Com grande chance de não figurar em nenhuma competição internacional a partir do próximo semestre, a equipe do interior de São Paulo volta aos treinamentos a partir de 1º de julho.

Os esforços serão concentrados no Campeonato Paulista, previsto para começar no fim daquele mês, e principalmente no Novo Basquete Brasil (NBB), previsto para outubro, segundo Lula.

Sétimo colocado no último NBB, o time comandado por Helinho não se qualifica neste momento nem para a Champions League das Américas nem para a Liga Sul-Americana, a não ser que haja desistências de equipes que abram novas vagas.

– Quando você está em um time competitivo e tradicional como o Franca, não interessa se tem time bom ou ruim, se faz tempo que ganha ou não, você quer ganhar, você tem que ganhar. É um desejo da camisa. Então vamos mirar no NBB – diz o supervisor técnico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *