Doria diz que uso de máscara segue obrigatório até o fim do ano em SP

As restrições de horários e capacidade de estabelecimento comerciais chegaram ao fim no estado de São Paulo nesta terça-feira (17), após quase um ano e cinco meses desde que a quarentena para combater o coronavírus foi decretada. O uso de máscaras, no entanto, permanece obrigatório em todo o estado até, pelo menos, o final deste ano.

A partir desta terça, comércios e serviços de todos os setores econômicos não terão mais limite de horário e nem de capacidade de ocupação de público. Há apenas a recomendação para que aglomerações sejam evitadas. Também serão liberados eventos sociais, culturais e feiras corporativas com controle de público. Continuam proibidos, por ora, apenas shows com público em pé, pistas de dança torcida em estádios de futebol. Estes eventos devem ser autorizados em 1º de novembro.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), admitiu nesta terça que novas flexibilizações ainda podem ser anunciadas até o final do ano. No entanto, ele reforçou que mesmo nas próximas etapas, o uso de máscara continuará sendo obrigatório.

“O uso de máscara será continuamente obrigatório até o final desse ano. Mesmo a partir de novembro, quando entraremos em outra etapa de flexibilização. Temos a expectativa de ter a conclusão de todo ciclo vacinal no final do mês de outubro. Mesmo assim, dada a variante delta, os cuidados, os zelos, as máscaras ainda farão parte da nossa indumentária por um tempo um pouquinho maior”, disse Doria.

 

Especialistas criticam o fim das restrições e dizem que a flexibilização foi iniciada antes que a maioria da população estivesse imunizada com as duas doses da vacina contra a Covid-19.

Além disso, eles afirmam que os indicadores da pandemia mostram que a propagação da doença ainda está fora de controle e há preocupação com o avanço da variante delta do coronavírus no país.

Nesta segunda (16), o governo decidiu desmobilizar o Centro de Contingência para o Coronavírus criado em março de 2020 e que ajudava as decisões políticas e sanitárias durante a pandemia de Covid-19.

O centro tem atualmente 21 membros, entre cientistas e médicos. Na última sexta-feira (13), uma reunião consolidou a redução do grupo para apenas 7 membros, que ficarão apoiando o governador, João Doria (PSDB).

Anteriormente, o governo chegou a dizer que os eventos só seriam liberados no estado após o resultado de testes controlados, realizados até o fim do ano em parceria com a gestão estadual. Mas a gestão estadual voltou atrás desta orientação e passou a permitir a reabertura deste setor mesmo sem testagem.

Embora as flexibilizações estejam autorizadas para todos os 645 municípios do estado, seis cidades do ABC Paulista decidiram manter regras mais rígidas por medo de aumento de contaminações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *