Entrevista do Prefeito de Rifaina, Hugo César Lourenço ao jornal Verdadeonline

Entrevista do prefeito Hugo Lourenço à repórter Nelise Luques, do Jornal Verdade:

Aos 72 anos, o empresário no ramo de extração de areia Hugo César Lourenço comanda a Prefeitura de Rifaina pelo quarto mandato. Eleito prefeito da cidade pela primeira vez em 2005, Hugo assina uma trajetória política de peso e tem feito de toda a sua experiência política como chefe do Executivo forte aliada na realização de projetos importantes para os cinco mil habitantes de Rifaina e seus turistas.

Os investimentos passam por áreas importantes, como o fomento ao turismo, projetos de infraestrutura, moradia popular e educação. A meta é construir uma nova creche com recursos próprios e zerar o déficit de crianças na cidade.

A Segurança Pública também ganhará reforço. Com um arsenal de câmeras instaladas em vias públicas, o município já é referência nesta área e deve atingir o total de cem equipamentos de vigilância nas ruas. Neste ano, o orçamento municipal foi de aproximadamente R$ 36 milhões.

Como outros municípios, Hugo Lourenço enfrentou desafios muito peculiares no primeiro ano do atual mandato com a pandemia da Covid-19. Vem conduzindo a situação de forma firme e focada na saúde da população e turistas. Uma das medidas mais enérgicas foi decretar o fechamento da prainha artificial de Rifaina às margens da Represa Jaguara, que recebia em média 3 mil turistas por fim de semana.

O espaço ficou fechado por 19 meses. Foi um período árduo, mas a semana que se inicia marca as principais ações do processo de retomada pós-pandemia. A partir de quarta-feira, dia 3 de novembro, a prainha será reaberta e as escolas voltam a receber 100% dos alunos de forma presencial. As expectativas são grandes com o retorno das atividades e também para 2022.

Que balanço o senhor faz do primeiro ano deste mandato?

Está sendo um ano difícil, mas de muito trabalho, que estamos conseguindo superar, causando o menor dano possível à população.

Este primeiro ano foi muito atípico, passamos pela pandemia da Covid-19. Quais os maiores desafios enquanto prefeito de Rifaina neste cenário?

Foi manter as restrições através de decretos municipais, no cumprimento dos decretos estaduais, com as recomendações administrativas do Ministério Público, as fases do Plano SP, suspensão de aulas e o estado de calamidade pública.

Que ações o senhor destaca em Rifaina que foram importantes para o controle da pandemia?

O controle dos infectados, sendo monitorados dia a dia pelos agentes de saúde, que possuíam esta relação em mãos e os acompanhavam até o período de alta, reforçando sempre a recomendação de ficarem em casa, a fim de evitar o contágio.

Como foi a decisão de fechar a prainha durante a pandemia, ‘sacrificando’ o turismo, mas preservando a saúde da população e turistas?

O turismo já foi prejudicado automaticamente com a pandemia, porém nossa maior decisão foi a preservação da vida e da nossa população. Todas as decisões tomadas em relação à pandemia da Covid-19 foram definidas em conjunto com o grupo formado dentro da prefeitura por diversos participantes, de todos setores, e sempre ouvindo a todos para tomarmos a melhor decisão. Nossa praia de Rifaina recebe num final de semana pessoas vindas de 30 municípios de toda região, tanto do Estado de São Paulo como de Minas Gerais, é uma circulação intensa de turistas. Por isso, priorizamos a saúde com o fechamento da prainha, pois seria impossível um controle deste público no local. Em seguida, com as etapas do Plano SP, abrimos o calçadão e o comércio de toda orla pôde voltar a funcionar, equilibrando melhor as despesas dos mesmos.

A partir de novembro, a Prefeitura irá liberar a prainha novamente. Por quanto tempo ficou fechada e quais as expectativas com o retorno?

Sim, a partir do dia 3 novembro estaremos com a praia totalmente liberada e com a certeza de que iremos receber novamente um grande público de turistas, que frequentam nossa praia para passar o dia. Nossos turistas cansaram de ficar em casa e em Rifaina têm a certeza de um passeio agradável, seguro e hospitaleiro. Ficamos fechados por 19 meses, tivemos um pequeno período de 15 dias de retorno, com abertura da praia de segunda a sexta-feira, porém o número de casos aumentou neste período e resolvemos realizar o fechamento novamente.

A Prefeitura determinou o asfaltamento da Avenida Marginal, com investimento estimado em R$ 330 mil. Qual a importância para a população dessas benfeitorias?

Nossa maior conquista é uma cidade 100% asfaltada. Esta obra vai proporcionar a interligação ao novo conjunto habitacional de interesse social, às margens da Rodovia Cândido Portinari (SP-334), além de ampliar nosso sistema viário ao lado do Distrito Industrial e consequentemente o desenvolvimento dos espaços físicos públicos.

Que outros serviços de infraestrutura o senhor destaca que foram feitos e que estão nos planos para serem realizados?

Investimos e finalizamos o recapeamento de ruas, reformas de espaços públicos (praças), sinalização de trânsito, pintura de prédios públicos, continuidade do Programa Moradia Digna (construção de residências para famílias carentes), obras do MIT (Município de Interesse Turístico) com a revitalização do Parque Ecológico, aquisição de uma pá-carregadeira e uma escavadeira hidráulica para o departamento de obras. Ainda neste ano, teremos o início da construção de uma nova creche escola, para zerar a demanda de vagas no município, iniciaremos os estudos e projetos de um novo complexo esportivo no bairro Sodré, assinatura de convênio para o recapeamento de ruas e obras do MIT 2022, iniciamos as obras do departamento de alimentação escolar, bem como de uma nova fisioterapia e laboratório de análises clínicas. Nossos banheiros da praia artificial passarão por reformas e ampliação, bem como a construção de um novo centro de informação ao turista anexo ao calçadão e a ampliação de nosso monitoramento eletrônico.

Rifaina, aliás, é referência em segurança e uma das ações modelo é o número de câmeras nas ruas. São atualmente 100 equipamentos, correto? Quais os ganhos de se contar com essa estrutura de câmeras?

Chegamos ao expressivo número de 100 câmeras instaladas em nosso município, o que corresponde em média a um equipamento para cada grupo de 40 moradores, garantindo a segurança da própria população e dos turistas, que são responsáveis pela força econômica do município.

O senhor comentou que há previsão de instalarem novas câmeras. Quantas unidades serão e quando deverão estar em funcionamento?

Já iniciamos no mês de outubro a instalação de mais 24 câmeras de vigilância, que totalizarão as 100 câmeras mencionadas, com implantação final prevista para novembro de 2021.

Mesmo com a pandemia e todas as restrições que foram impostas, Rifaina conseguiu avanços importantes em 2021. Na opinião do senhor, o que possibilitou isso?

Austeridade no gasto público, com o autocontrole das contas públicas. Crescemos nossas arrecadações municipais (receitas próprias – ITBI, ISS e IPTU) devido às transações imobiliárias, obras e a construção civil que não parou no período de pandemia. Estes fatores foram fundamentais para promover esse conjunto de ações político-econômicas e para que fossem bem sucedidas. 

Na área da Educação, qual o principal projeto que o senhor pretende realizar?

A construção com recursos próprios de mais uma Creche Escola, que realmente vai conseguir zerar nosso déficit de vagas. Já possuímos o terreno em uma área de 3 mil metros quadrados, onde já finalizamos o projeto e iniciaremos a licitação da obra, para  início da construção.

Gostaria que o senhor comentasse as expectativas para 2022, uma vez que a pandemia está sendo superada e os serviços começam a ser retomados. 

Feliz por recomeçar a partir desta semana, no dia 3 de novembro, com o retorno de todas nossas atividades, sendo elas educacionais, culturais, sociais, esportes e lazer, e de nossos variados projetos, que no início da pandemia foram todos paralisados.

Existe algum projeto especial para fomentar ainda mais o turismo em Rifaina, especialmente pós-pandemia?

Sim, o retorno de nosso calendário de eventos e a retomada segura das atividades socioeconômicas, através das atividades de entretenimento, em consonância com as medidas já adotadas e respeitando as normas sanitárias. O primeiro passo está sendo

a vacinação completa ou, pelo menos, a primeira dose. Para nosso setor de eventos é muito importante essa retomada, era uma expectativa que já se tinha de como seria o passo a passo.

No começo do ano, o Ministério Público instaurou inquérito civil para investigar a conduta da empresa M. Cassab, que estaria cometendo irregularidades, segundo denúncia de moradores, sem o descarte adequado de carcaças de peixes e ainda presença de ratos, cobras e outros animais no local de armazenagem de ração dos peixes que cria. O senhor tomou conhecimento da situação? Que providências a Prefeitura tomou?

Sim, através da instauração de Inquérito Civil, da Promotoria de Justiça da Comarca de Pedregulho/SP, instruída com um abaixo-assinado subscrito por mais de 100 pessoas. Em referência as providências adotadas por este Município, lembramos e informamos

que o mesmo não faz parte do inquérito civil, ficando a cargo da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) a fiscalização das exigências técnicas e licenciamento das atividades supra mencionadas.

O senhor está no quarto mandato à frente da Prefeitura de Rifaina, na sua opinião, quais foram as principais conquistas desde que ocupou a primeira o cargo de chefe do Executivo?

Considero importante destacar as obras de revitalização da praia de Rifaina, com a construção do calçadão em três etapas no maior ponto turístico da cidade, com quatro quiosques; além da criação do programa Moradia Digna, a duplicação da serra de Rifaina, com a eliminação da ‘Curva da Morte’, construção do Centro de Eventos, da Casa da Cultura, três conjuntos habitacionais, reformulação da frota municipal, construção do portal de entrada da cidade, construção de piscina e ginásio de esportes na escola municipal, e muitas melhorias nos prédios praças públicas.

Prefeito, tem algum projeto ou assunto que não comentamos e o senhor gostaria de abordar?

Nosso Programa ‘Moradia Digna’, um projeto social que é realizado com recursos próprios do município e através do qual já iremos entregar nossa 50ª unidade unifamiliar, desde seu lançamento em 2009. Nosso objetivo sempre será ajudar a classe mais carente, o que venho fazendo em todos os meus quatro mandatos à frente da Prefeitura Municipal de Rifaina. Tenho muito orgulho deste projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *