Morre o cidadão pedregulhense e prefeito de São Paulo, Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu às 8h20 deste domingo (16/5) depois de uma longa batalha contra o câncer. O prefeito tinha 41 anos e havia descoberto a doença em 2019. Ele deixa o filho Tomás, de 15 anos. Bruno Covas tinha o título de cidadão pedregulhese, recebido em 2016. através de projeto concedido pelo vereador Fabiano Aparecido da Silva – Ditão (PSDB).

Diante de uma piora do seu quadro de saúde, Covas estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o último dia 2 de maio. Por conta do tratamento, Bruno Covas tinha feito um pedido para se licenciar da prefeitura durante 30 dias.

“O prefeito de São Paulo Bruno Covas faleceu hoje às 08:20 em decorrência de um câncer da transição esôfago gástrica, com metástase ao diagnóstico, e suas complicações após longo período de tratamento. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio, sob os cuidados das equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Prof. Dr. Raul Cutait e Prof. Dr. Roberto Kalil”, diz nota divulgada pela Prefeitura de São Paulo.

Às 19h30 da sexta (14/5) a equipe médica do hospital divulgou boletim informando que o quadro clínico de covas era considerado irreversível e ele estava recebendo medicamentos analgésicos e sedativos. “Neste momento, encontra-se no quarto acompanhado de seus familiares”, dizia a nota.

O advogado e economista assumiu a prefeitura de São Paulo em 2018, após a renúncia do então prefeito João Doria, de quem era vice, e foi reeleito em 2020. Com sua morte, o vice-prefeito Ricardo Nunes assume a prefeitura da cidade.

BIOGRAFIA

Na época em que foi homenageado em Pedregulho, o entao deputado federal tinha a seguinte biografia:

BRUNO COVAS é atual Deputado Federal, eleito nas eleições de 2014 com 352.708 votos, quarta maior votação do Estado e deputado mais votado do PSDB.

Inicialmente eleito deputado estadual com 122.312 votos, o santista Bruno Covas, de 34 anos, é neto de Mario Covas, seu maior inspirador na política.

É advogado formado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco (USP) e economista pela PUC-SP. Foi presidente estadual e nacional da juventude do PSDB, ocupou cargos na Executiva Estadual e hoje é secretário Geral do PSDB/SP.

Em 2006, foi eleito deputado estadual com o voto de 122.312 paulistas que acreditavam que política e ética devem caminhar juntas.

Na Assembleia, foi presidente da Comissão de Finanças e Orçamento e autor de mais de 60 projetos de lei, entre eles, o PL de Responsabilidade Administrativa, que proíbe a paralisação de obras e programas em mudanças de gestão.

Foi autor da lei que tornou obrigatória a Virada Cultural em todas as regiões do Estado e relator de projetos de lei, como a Nota Fiscal Paulista, que devolve imposto diretamente para o cidadão.

Em 2010, foi considerado, pelo Movimento Voto Consciente, o deputado mais atuante do Estado. Em 2012, foi reeleito com 239.150 votos, a maior votação do Estado.

Em 2011, atendendo à confiança e ao convite do governador Geraldo Alckmin, se tornou Secretário do Meio Ambiente. Empossado no novo cargo buscou garantir preservação e crescimento sustentável.

Entre as principais ações realizadas, a revisão da legislação ambiental estadual, reduzindo em 68% o número de resoluções; a criação de unidades de conservação, o aumento do número de áreas verdes, a implantação dos novos padrões de qualidade do ar e a redução do tempo médio de análise para licenciamento de 329 dias, em 2011, para 128 dias, em 2013.

Desenvolveu ainda, ações destinadas ao bem estar animal e campanhas de conscientização contra abandono de animais domésticos. Deu início aos testes para limpeza do Rio Pinheiros e implantou o Cadastro Ambiental Rural.

Em abril de 2014, reassumiu seu mandato como deputado estadual, com atuação em várias comissões e presidência de CPI.

Foi eleito deputado federal com 352.708 votos, quarta maior votação do Estado e deputado mais votado do PSDB.

Bruno Covas e o então vereador Ditão, de Pedregulho

Bruno Covas e o então vereador Ditão, de Pedregulho

,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *