Procon notifica quase 600 estabelecimentos do estado por preços abusivos de alimentos

Procon já esteve em 133 municípios do Estado de São Paulo, incluindo Ribeirão Preto, na operação de enfrentamento ao aumento injustificado de preços de alimentos. Segundo balanço do órgão, de 14 a 29 de setembro, 573 estabelecimentos comerciais foram notificados a apresentar notas fiscais de compra e venda de alguns itens da cesta básica para verificação de eventual prática de preços abusivos.

O foco da operação é coibir abusos e garantir à população o acesso aos produtos, são os itens: arroz (pacote de 5 kg), óleo de soja (embalagem de 900 ml) e carnes vermelhas (patinho, coxão mole, coxão duro e contrafilé). Empresas que estiverem aumentando injustificadamente os preços dos alimentos responderão a processo administrativo.

Entre os maiores preços encontrados pelas equipes estão o arroz tipo 1 (pacote de 5 kg): R$ 32,16; no óleo de soja (900 ml): R$ 7,73; no patinho (kg): R$ 48,49; no coxão mole (kg): R$ 55,61; no coxão duro (Kg): R$ 53,11 e no contrafilé (Kg): R$ 79,99. Todos na capital.

No interior, das 133 cidades visitadas, os maiores preços constatados foram R$ 34,90 no arroz tipo 1 (pacote de 5 kg) e R$ 8,99 no óleo de soja (900 ml).

Além de Ribeirão Preto, os fiscais estiveram em: Águas de São Pedro, Americana, Andradina, Apiaí, Araçatuba, Arandu, Araraquara, Araras, Areiópolis, Assis, Atibaia, Avaré, Barão de Antonina, Bariri, Barra do Chapéu, Bauru, Bebedouro, Bertioga, Birigui, Bom Jesus dos Perdões, Botucatu, Botucatu, Bragança Paulista, Brejo Alegre, Brotas, Buritama, Cabreúva, Campinas, Campo Limpo Paulista, Capão Bonito, Capivari, Caraguatatuba, Catanduva, Charqueada, Cordeirópolis, Cosmópolis, Diadema, Echaporã, Eldorado, Franca, Franca, Getulina, Guaíra, Guaratinguetá, Guariba, Guarujá, Holambra, Hortolândia, Ilha Solteira, Indaiatuba, Ipeúna, Iracemápolis, Itaberá, Itaporanga, Itararé, Itirapina, Itirapua Paulista, Itupeva, Jacareí, Jacupiranga, Jaguariúna, Jaú, Joanópolis, Jundiaí, Louveira, Macedônia, Manduri, Marília, Martinópolis, Mauá, Mesópolis, Mirandópolis, Monte Aprazível, Monte Azul Paulista, Monteiro Lobato, Monte Mor, Morungaba, Nova Europa, Nova Odessa, Ourinhos, Ouro Verde, Ouroeste, Paraguaçu Paulista, Paranapuã, Parapuã, Paulínia, Pedreira, Pereira Barreto, Pindamonhangaba, Piracaia, Pontalinda, Porto feliz, Praia Grande, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Pires, Rio Claro, Rio Grande da Serra, Saltinho, Salto, Salto do Pirapora, Santa Albertina, Santa Barbara Doeste, Santa Branca, Santa Cruz do Rio Pardo, Santa Fé do Sul, Santa Gertrudes, Santa Isabel, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São Joaquim da Barra, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Manuel, São Pedro, São Roque, São Vicente, Sete Barras, Sorocaba, Sumaré, Tanabi, Taquaritinga, Tatuí, Taubaté, Terra Roxa, Tupã, Tupã, Ubatuba, Valinhos, Valparaíso, Vinhedo, Viradouro e Votorantim.

Como denunciar

O Procon-SP disponibiliza canais de atendimento à distância para receber denúncias, intermediar conflitos e orientar os consumidores: via internet (www.procon.sp.gov.br), aplicativo – disponível para Android e iOS – ou via redes sociais; para as denúncias, marque @proconsp, indicando o endereço ou site do estabelecimento.

(Revista Revide)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *