Romeu Zema defende cota mínima de 762 metros para lago de Furnas em agenda com ministro de Minas e Energia

O governador Romeu Zema e o ministro de Minas e Energia, Bento
Albuquerque, se reuniram nesta segunda-feira (14/12), em São José da
Barra, no Sudoeste de Minas, com dezenas de prefeitos, parlamentares,
representantes da sociedade e lideranças regionais para debater e
encontrar uma solução para a situação do nível do reservatório do
lago de Furnas e da Bacia Hidrográfica do Entorno da Represa de Furnas.

Na oportunidade, Zema defendeu a cota mínima de 762 metros da represa
acima do nível do mar, considerado suficiente para o uso múltiplo da
água, atendendo aos municípios banhados pelo lago com a manutenção
de atividades econômicas voltadas ao turismo, piscicultura e
agropecuária. Atualmente, o nível da represa está em 754 metros.

“Tivemos uma reunião longa, onde todos tiveram a oportunidade de se
manifestar, principalmente os prefeitos da região do Lago de Furnas,
que são aqueles mais afetados. Conheço muito bem a região e sei o
quanto este nível baixo do lago tem custado para estes prefeitos. São
várias atividades afetadas. Nos comprometemos a analisar e criar uma
solução para que o nível da represa fique no mínimo adequado, que é
de 762”, disse o governador.

Zema ressaltou, ainda, a importância de o governo federal atender à
demanda energética do país, mas sem que o estado seja prejudicado. O
governador ressaltou que deverá ser criado um grupo para discutir a
situação periodicamente. Ele também enfatizou a participação dos
parlamentares mineiros na busca de uma solução.

“Em algumas regiões não é mais o ‘Mar de Minas’, mas o pântano
ou brejo de Minas. A represa tem a sua função econômica rio abaixo,
em outras usinas, mas temos que ter alguma compensação aqui. A usina
de Furnas, sozinha, não pode ser o grande colchão responsável por
receber todas as oscilações que acabam ocorrendo rio abaixo. Que este
esforço seja compartilhado. Minas quer contribuir, mas não pode ser
isoladamente”, finalizou.

Compromisso

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, ressaltou o
compromisso de trabalharem para elevar o nível da represa para 762
metros e que a solução vai partir de um trabalho em conjunto.

“É um compromisso que o presidente Jair Bolsonaro assumiu e é um
compromisso do Ministério de Minas e Energia viabilizar isso junto com
outros agentes e organizações, com suporte do Congresso Nacional e do
Governo do Estado de Minas Gerais [1]. Essa não é a primeira reunião.
Vamos melhorar a nossa coordenação, a nossa governança, para que
possamos apresentar de forma periódica à sociedade – a cada 60 dias –
a evolução dessas ações estruturantes para elevar a cola do Lago de
Furnas para 762”, reforçou.

Composição

Após a reunião, as autoridades fizeram uma visita técnica à usina
hidrelétrica e à barragem de Furnas. A Bacia Hidrográfica do Entorno
da Represa de Furnas é formada por 42 municípios. Possui área de
drenagem de 16.562 km² e população estimada em 699 mil habitantes. A
represa está localizada entre os municípios de São José da Barra e
São João Batista do Glória.

A região é caracterizada pelo seu grande potencial turístico, sendo
popularmente conhecida como “Mar de Minas” devido ao reservatório
formado pela usina.

O Governo de Minas, por meio do Sistema Estadual de Meio Ambiente e
Recursos Hídricos (Sisema), vem acompanhando a situação, inclusive
com um grupo de trabalho sobre o tema com a participação de diversas
secretarias.

Também participaram da reunião o senador Rodrigo Pacheco; os deputados
federais Diego Andrade, Emidinho Madeira e Greyce Elias; os deputados
estaduais Cássio Soares, Dalmo Ribeiro e Bartô; os secretários de
Estado de Governo [2], Igor Eto; de Turismo e Cultura [3], Leônidas de
Oliveira, e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável [4],
Marília Melo; a diretora-geral da Agência Nacional de Águas e
Saneamento Básico (ANA), Christianne Dias; o secretário de Energia
Elétrica do MME, Rodrigo Limp Nascimento; o diretor-geral do Operador
Nacional do Sistema Elétrico (NOS), Luiz Carlos Ciocchi, e demais
autoridades e representantes do governo federal, além de prefeitos e
representantes da sociedade civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *